O quadro acima retrata o Rei católico polonês Jan Sobieski III na vitoria contra os muçulmanos na batalha de Viena no ano de 1683.

terça-feira, 10 de abril de 2012

Ecologia: ódio revolucionário.





Existem “católicos” que acreditam e pregam o ecologismo por acharem que, utilizando os recursos naturais, o homem irá provocar a destruição do planeta terra.

Dizem isso porque nunca se deram ao trabalho de abrir a Bíblia e, logo em suas primeiras páginas, constatar que Deus criou o homem à sua imagem e semelhança, e abençoando-o disse: “Crescei e multiplicai-vos e enchei a terra, e tende-a sujeita a vós, dominai sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu, e sobre todos os animais que se movem a terra”. Disse-lhes também Deus: “Eis aí vos dei eu todas as ervas, que dão as suas sementes sobre a terra; e todas as árvores, que tem as suas sementes em si mesmas, cada uma segundo a sua espécie, para vos servirem de sustento a vós. E viu todas as coisas que tinha feito e eram muito boas” (Gêneses 1, 26-31).

É claro que esses falsos cristãos, que se mostram alarmados com a “destruição da natureza” tão propagada pela grande mídia, não possuem nenhuma gota de remorso pelos pecados que infligem a Deus o aborto e o homossexualismo, os quais sobem aos céus e clamam a Deus por vingança.
Na criação de Deus há uma hierarquia: minerais, vegetais, animais, homens, anjos, Nossa Senhora e Deus. O que também é ignorado por muitos cristãos, aos quais a Revolução quer confundir através da pregação do igualitarismo.
Santa Faustina fala do ódio revolucionário às coisas de Deus: “Quando percebi como é perigoso ficar na portaria hoje em dia, por causa de tumultos revolucionários e do ódio que muitos malvados têm aos conventos, fui conversar com o Senhor e pedi que fizesse que nenhum homem mau ousasse aproximar-se da portaria. Então ouvi estas palavras: Minha filha, desde o momento em que fostes para a portaria, coloquei um Querubim no portão, para cuidar dele; fica tranqüila. Quando voltei da conversa que tive com o Senhor, vi uma nuvenzinha branca, e dentro dela um Querubim com os braços cruzados. O seu olhar era como o raio; conheci como o fogo do amor a Deus arde nesse olhar...”
Como a Revolução hoje se metamorfoseou e não ataca a religião católica abertamente como no tempo de Santa Faustina, passou então a propagar um cristianismo em que os criminosos não são os assassinos abortistas, os ladrões e os usuários de drogas, mas os produtores rurais, os quais são falsamente apresentados como destruidores da natureza. Sua perseguição no Brasil de hoje por leis absurdas poderá condenar os brasileiros à miséria e à fome.
Se aprovado o novo Código Florestal nos termos propostos pelo Senado, os brasileiros não poderão utilizar senão pequena parcela do território nacional, o que é um absurdo.


Cabe-nos agir e mobilizar, unindo nossas forças às do Príncipe D. Bertrand de Orleans e Bragança, participando das campanhas contra as leis ecologistas conforme os endereços eletrônicos abaixo. E pedir a Deus, pela intercessão de Santa Faustina, que mande seus anjos para nos proteger das leis e dos políticos iníquos.


Um comentário:

  1. Sendo Deus o criador de todas as coisas, por si só Ele é a natureza da natureza. Logo, tudo o que está existindo ou existe em qualquer outro lugar de tudo o que existe, foi Deus quem criou.
    “Crescei-vos e multiplicai-vos” foi uma ORDEM e não uma sugestão. Deus manda e não pede. Neste contexto, está fora da ordem d’Ele o casamento homossexual, o ecologismo, o darwinismo, a ciência anticristã, etc.
    Muito bem lembrado - na postagem – o ataque a agropecuária que esses malfeitores “darwiecológicos” fazem aos nossos heróicos brasileiros que produzem tanto para muitos e ainda são atacados da forma que os atacam...

    ResponderExcluir